Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

voltoja

Ano novo e mais destinos para o Volto JÁ

Inverno em Salzburgo

  

O ano de 2016 está a começar e é tempo de planear as nossas viagens. A primeira é já em fevereiro e vamos fazer um circuito por quatro cidades da Europa central. Desta vez, quisemos destinos com neve e frio, algo que habitualmente não fazemos e que, ao mesmo tempo, nos permita conhecer cidades bonitas com muita oferta.

 

O circuito tem início em Munique, passa por Salzburgo e Viena, terminando em Budapeste. Tudo em nove dias. Ponderámos incluir a cidade de Bratislava neste roteiro, mas achámos que seria muita coisa para se fazer em tão poucos dias. Preferimos desfrutar das cidades que visitamos em vez de correr apenas para marcar ‘check’ nos locais.

 

Sendo assim, depois da escolha de destino, comprámos as nossas viagens de avião. Para chegar a Munique tínhamos duas opções, comprar até Memmingen pela Ryanair ou até ao aeroporto da cidade pela Iberia. Depois de uma breve pesquisa, constatámos que Memmingen fica a 100 quilómetros de distância de Munique. Mesmo sendo mais barato o bilhete pela Ryanair não queremos perder tempo em viagem desnecessária, então comprámos o bilhete pela companhia aérea espanhola, com a vantagem de transportar uma mala grande sem custos adicionais. O frio obriga a uma mala pesada de coisas quentes para nos aquecer.

 

Olhando para o mapa da Europa central, a distância entre Munique (ponto inicial) e Budapeste (fim de viagem) é de cerca de 650 km, com boas ligações de comboio ou autocarro, descartando assim a hipótese de alugar um carro, evitando também os perigos de conduzir com neve. Contudo, gostamos de arriscar e vamos alugar um veículo apenas para um dia, com o próposito de visitar o sul de Munique para conhecer dois dos castelos mais famosos do mundo: Neuschwanstein e Linderhof. Muitos próximos um do outro, estes dois pontos de interesse ficam a 120 quilómetros da cidade alemã, acreditando que vale a pena.

 

Serão duas noites em Munique, com uma paragem obrigatória no restaurante/club mais famoso da cidade, o HEART.

 

Seguiremos então para Salzburgo, para conhecer a cidade austríaca onde Mozart nasceu. Pelas fotografias que nos apresentam, sabemos que vamos adorar esta cidade, bem ao nosso estilo. Pequena, encantadora, espaços amplos para passear, é isto o que esperemos de Salzburgo. Por ser pequeno, vamos ficar apenas uma noite, com um merecido descanso no fantástico hotel Altstadthotel Kasererbräu.

 

Continuaremos na Áustria, mas agora em Viena. Serão duas noites na capital austríaca com direito a um espetáculo de Ópera. Estando aqui, seria inadmissível faltar ao 'espetáculo rei' desta cidade. Por termos dias marcados não tivemos muitas hipoteses de escolha, mas acho que com a Tosca de Puccinni estamos bem servidos. O vestido comprido e o fato de gala vão sair à rua em Viena.

 

Além de querermos experimentar os cafés e os pães vienenses, queremos deliciar-nos com a sua famosa pastelaria, principalmente o Apfelstrudel (torta de maçã). Pelo meio queremos conhecer o Palácio Schönbrunn, o Palácio Hofburg, a Catedral de Santo Estevão, o Museums Quartier e andar na roda gigante Riesenrad.

 

Não sabemos se vamos deixar o melhor para o fim (depois viremos cá contar), mas temos mesmo muitas expetativas para Budapeste, a capital da Hungria. Toda a gente nos diz que vamos adorar e quem lá esteve faz eco desses mesmos conselhos. Conhecemos poucas imagens icónicas de Budapeste, mas o Parlamento e a Ponte das Correntes fluem no nosso imaginário, querendo fazer parte destes locais que parecem saídos de uma tela de cinema. Estando lá não iremos falhar a um dos famosos banhos termais ao ar livre. Contra o frio e a neve queremos conhecer o prazer de se banhar em água muito quente.

 

Os voos de regresso para o Porto também já estão marcados e, à semelhança da viagem de ida, também ficamos divididos. Ambos os voos de partida eram da Wizz Air, mas um deles iria para Eindhoven e outro para Lisboa. Não sei se fizemos bem, mas escolhemos voar para Holanda e depois voar pela Ryanair até à cidade Invicta. O preço era o mesmo e, na outra opção, teríamos de viajar depois de Lisboa até ao Porto. O problema é que, sendo viagens low cost tivemos de adicionar uma mala grande nos dois voos. No momento foi o que fez mais sentido.

 

Quem segue este blogue sabe que gostamos de marcar tudo com antecedência e por isso os nossos hotéis já estão marcados, todos pelo Booking. Cada vez somos mais adeptos deste motor de busca de hotéis. É fiável, os preços já não diferem dos rivais e, acima de tudo, tem um excelente serviço ao cliente.

 

Se acham que nos está a faltar alguma coisa para esta nova viagem ajudem-nos com dicas e conselhos através dos comentários. Falem até dia 5 de fevereiro ou calem-se depois dessa data.

15 comentários

Comentar post