Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

volto já

para quem pertence a vários lugares

volto já

para quem pertence a vários lugares

Sicília, a ilha mágica e perdida no mediterrâneo

Scopello

 

Ao contrário da sua vizinha Sardenha, a Sicília não beneficia de tanta popularidade no que toca ao turismo estrangeiro. Apesar de nos meses de julho e agosto as praias da ilha estarem completas, a verdade é que são os locais que a preenchem. A Sicília encontra-se ali ‘perdida’ entre o mediatismo da Sardenha e a Costa Amalfitana, dois pontos de grande turismo na Itália.

 

Mas esta ilha não tem a intenção artificial de nos querer agradar, não se esforça por ter tudo pronto e arranjado para receber os turistas e aí reside o verdadeiro encanto da ilha. Pensem na Sicília como se fosse a menina gira da escola que não precisa de se maquilhar para ter todos os meninos a seus pés. Ela sabe que é bonita e ponto, é o suficiente.

 

A nossa visita à Sicília foi um tiro no escuro, até porque pouco sabíamos do que nos esperava. Motivados por um ‘making of’ de um comercial de um perfume, filmado na ilha, comprámos os bilhetes de avião com antecedência e, até lá, ficamos sempre reticentes. Pelo meio, ouvimos relatos de pessoas que a tinham visitado e sempre nos falaram muito bem. Pesquisámos no google imagens de praias e das cidades e acabávamos por gostar, mas não ficar rendidos. Ora tinha praias muito bonitas, ora tinha cidades velhas e escuras.

 

Tal como já referimos acima, a Sicília não está ‘trabalhada’ para receber os turistas. Nota-se um esforço para criar boas ligações rodoviárias entre as grandes cidades, mas depois, tudo é muito ‘natural’ e selvagem. Não se assustem que esta é a parte boa.

 

Para perceberem bem a Sicília têm de saber o que significa a ‘Cosa Nostra’, também conhecida como Máfia (uma sociedade criminosa secreta que se desenvolveu na primeira metade do século XIX na ilha). Atualmente, a Máfia está mais controlada, por isso não tenham receio, pelo menos na nossa viagem não sentimos a sua presença. Mas, o que precisam de saber é que a genuinidade é a grande característica da ilha.

 

Mas falemos do mais importante para quem quer viajar até lá. Afinal, o que vão encontrar quando chegarem à maior ilha do mediterrâneo? Preparem-se para encontrar uma grande variedade de praias, as de areia branca, as mais selvagens, as de jogas... Todas elas com o seu encanto, umas mais bonitas do que outras é certo, mas todas elas surpreendentes pelo seu estilo siciliano, o mais natural possível. Podem começar por Mondelo, um paraíso mais citadino (por estar perto de Palermo), mas que encanta qualquer um com a sua areia branca e fina e o seu mar turquesa. Sintam-se uns exploradores e procurem a Riserva Dello Zingaro ou a Riserva Naturale Di Vendicari, estes pequenos paraísos irão ficar gravados para sempre na vossa memória. Para os querem um contraste perfeito entre natureza e mar, não deixem de passar um fim de tarde em San Vito Lo Capo. Mas se querem algo ainda mais selvagem, com pedras aos vossos pés em vez de areia, procurem pela Isola Bella-Taormina. Agora, se querem ficar completamente rendidos e visitar a praia mais bonita do mundo (pelo menos para um de nós) marquem já a vossa viagem para a Sicília para conhecer, pelo menos uma vez na vida, a praia/local de Faraglioni Di Scopello.

 

Se acham que Sicília é só praias (não que isso fosse um impedimento para a visitar) estão redondamente enganados. Depois de uma boa praia o que mais se gosta de fazer enquanto turistas? Comer bem! Pois, estão no sítio certo. Preparem-se para deixar para trás as bolonhesas e as carbonaras e, na Sicília, tornem-se uns verdadeiros sicilianos e comam pasta com peixe e/ou marisco. Não se vão arrepender, pois tudo lá é de grande qualidade.

 

Depois temos as cidades, outro dos pontos altos da Sicília. Passem um pouco ao lado de Catânia e Palermo (grandes cidades com direito a tudo o que um turista de verão não quer ver por estes dias) e preparem-se para ficar arrebatados com a estonteante Taormina, possivelmente uma das cidades mais bonitas que já vimos, e perderem-se pela misteriosa Siracusa, cheia de História e vida.

 

Os sicilianos adoram a sua ilha e isso nota-se a cada esquina, seja de dia ou de noite. As ruas estão sempre animadas (pelo menos no verão) e isso faz-nos sentir bem, porque a vontade deles de se divertirem transfoma-se em energia nas cidades. Não deixem também de passar por Sciacca, que nos faz lembrar uma aldeia grande e arranjada, e ainda por Trapani, onde aqui sim, a energia siciliana se faz notar em todo o seu esplendor.

 

Estão de férias mas não querem descurar a vossa cultura? Não há problema. Perto de Agrigento e Siracusa irão encontrar pontos de grande interesse, tal como o Valle Dei Templi. E se ainda estiverem dispostos a passeios mais radicais preparem-se porque o famoso vulcão Etna encontra-se na ilha. É o mais alto da Europa e um dos mais ativos do mundo, estando praticamente em constante erupção, a última ocorreu em maio de 2015. Estivemos lá em 2014, altura em que o vulcão estava também em erupção.

 

Depois disto tudo, precisamos de apontar mais razões para visitar a Sicília? Ah, ainda temos mais uma: a água quente e as temperaturas agradáveis do mediterrâneo.

 

Querem uma grande dica antes de concluir este texto sobre um dos destinos que mais saudades nos dá? Colem a vossa viagem (façam escala) em Roma e a vossa vida poderá mudar! Palavra do Volto JÁ.

10 comentários

Comentar post