Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

voltoja

voltoja

Entre os lagos e a capital da moda, viaje neste roteiro inesquecível por Itália

24.05.18 | Volto Já

Entre os lagos e a capital da moda, viaje neste roteiro inesquecível por Itália

 

Já ouviram falar do Lago Como em Itália e já lhe disseram que é um dos cenários mais bonitos da Europa? Estivemos lá e contamos como foi, isso e muito mais.

 

Tentamos dividir o nosso percurso por quatro pontos diferentes, de forma a conhecer várias perspetivas dos dois lagos do norte de Itália, assim como de Milão, optando neste último por um hotel muito bem localizado, uma vez que, pela primeira vez, viajaríamos com uma bebé. Antes de avançar para a capital da moda, comecemos esta viagem exclusiva pela joia dos lagos italiano, o Como.

 

Dia 1 e 2 - Bellagio e Varenna

 

Entramos pelo norte de Itália por uma das ‘portas’ mais acessíveis para nós, portugueses do norte, o aeroporto de Bergamo, cujas viagens a partir de Porto ou Vigo são frequentes e a um bom preço.

 

Ainda no aeroporto recolhemos o carro, que reservamos previamente através do portal Rentalcars, e partimos em direção ao Lago Como. Foram aproximadamente 60 quilómetros até à primeira paragem, fazendo os primeiros através de autoestrada e depois por estradas nacionais bem sinuosas, mas com maravilhosas vistas.

 

A primeira coisa que precisam de saber sobre Bellagio é que é um dos pontos mais turísticos desta zona, logo irão encontrar as ruas mais cheias, logo mais difícil para encontrar um lugar para estacionar o carro. Fiquem a saber que para circular de carro na zona histórica da cidade precisam de uma autorização por parte do vosso hotel, para isso basta dar a matrícula na receção no momento do check-in.

 

Local: Centro histórico de Bellagio

Se olharem para o mapa do Lago Como vão verificar que ele tem a forma de um “Y” e Bellagio fica num dos extremos, com vistas para as outras cidades da região e é por isso que é tão popular, além da facilidade de transporte de barco (tanto para pessoas como para carros). Mais, Bellagio é excelente para o vosso primeiro contato com o Lago Como, a partir daqui todos os sítios que conhecerão serão um pouco semelhantes.

 

Bellagio é uma cidade pequena, chegando-se facilmente a pé aos sítios pretendidos. É um lugar para descansar e passear calmamente. Como pontos de interesse, além de todo o centro histórico, visitem o Jardim Botânico I Giardini di Villa Melzi (entrada 6.50€). Quanto a refeições, devemos alertar que os preços são um pouco elevados ao que estamos habituados, mas nada que arruine a carteira. Para os que querem poupar, existem vários espaços de take away onde podem comprar uma ou duas fatias de pizza e comer num banco de jardim.

 

Daqui podem ainda visitar as cidades que estão à vossa frente, do outro lado do lago. Fomos até Varenna de ferry (18€ para duas pessoas, ida e volta), lugar que aconselhamos vivamente, com uma atmosfera mais sombria e medieval, mas com o charme esperado deste lugar, e menos povoado.

 

Dia 3 - Menaggio e Tremezzo

 

Acordamos cedo e atravessamos novamente o Lago Como, novamente de ferry, mas desta vez com o nosso carro alugado (16€ só ida), em direção a Menaggio e fomos, uma vez mais, surpreendidos pela singularidade deste lugar. À semelhança do que tinha acontecido em Varenna, ficamos com pena de não ter gastado mais tempo nestes dois lugares. Optamos por um almoço rápido numa esplanada recatada, onde provamos peixe do lago, podendo escolher na sua forma frita ou grelhada.

 

Local: Centro histórico de Menaggio

A grande razão para estamos deste lado do lago era o Grand Hotel Tremezzo, uma unidade hoteleira de cinco estrelas, isto porque é a classificação máxima, senão teria muitas mais. Entramos neste lugar único às 15 horas e só saímos de lá no dia seguinte, por volta do meio-dia. Para saber o que andamos por lá a fazer, basta seguir esta ligação.

 

Dia 4 e 5 - Milão

 

Chegando a Milão, e até porque tínhamos feito previamente a reserva, fomos diretamente à igreja Santa Maria delle Grazie, mais propriamente ao edifício anexo, onde está a Última Ceia, o fresco pintado por Leonardo Da Vinci. Para visitar esta obra de arte o melhor é comprar os bilhetes com antecedência, já que esgotam rapidamente. Para os que preferem arriscar, ainda podem tentar as vagas de desistências no site. Não contem com vendas diretas na bilheteira do local, pois dificilmente encontrarão. Se vale a pena? Claro que sim, não estaríamos nós a falar de uma das obras mais influentes da História.

 

Foi difícil estabelecer qualquer tipo de ligação emocional com Milão. Visitamos o ex-líbris da cidade, a Catedral de Milão e respetivo museu, a Galeria Vittorio Emanuele II e o Castello Sforzesco. Para os que adoram gelados, não estivéssemos nós em Itália, não deixem de provar os da Cioccolati Italiani, espetaculares.

 

Local: Interior da Catedral de Milão

Milão é daquelas cidades para desfrutar dos seus 'terrazzos' e dos restaurantes cosmopolitas. Para quem carrega um bebé num carrinho, fica mais difícil aceder a esses locais.

 

Tal como aconteceu em Bellagio, para quem chega de carro o estacionamento pode ser outra dor de cabeça. Optamos por deixar na garagem do hotel, com um custo de 24 euros por noite. Milão é uma cidade cara, desde o alojamento, parque de estacionamento, taxa turística, restauração…

 

Dia 6 e 7 - Stresa

 

Voltamos ao volante do nosso carro e partimos em direção a outro lago, o Maggiore, menos conhecido, mas nem por isso menos excitante. Desde a capital da moda até Stresa, o 'coração' deste lago, são 90 quilómetros. Começamos a avistar Stresa desde o topo da montanha e seguimos caminho pelas estradas curvilíneas até chegarmos ao nosso alojamento, o Grand Hotel Des Iles Borromees, uma unidade de cinco estrelas com uma localização excelente para quem quer conhecer esta zona.

 

O Lago Maggiore é uma versão menos colorida do seu 'primo' Como, tal como a cidade Stresa, um pouco mais 'apagada', mas que merece, sem dúvida, uma visita, até porque aqui está o melhor caminho para chegar ao arquipélago Borromeu, constituído por um grupo de três pequenas ilha e dois ilhéus, pertencente à família Borromeu, muito poderosa no início do século XVI.

 

Para chegar até às ilhas, podem embarcar num dos barcos (custo de 15€ por pessoa) disponíveis no cais da cidade.

 

A primeira paragem é na Isola Madre, que se destaca pelo seu belo jardim botânico. A entrada custa 13€. Seguimos para a Isola dei Pescatori e é aqui que devem fazer a vossa refeição, tal é a oferta abundante de espaços para comer. Aproveitamos esta parte do roteiro para alertar que devem começar a fazer a visita destas três ilhas da parte da manhã, uma vez que a última entrada na última paragem é às 17h30.

 

Depois de almoçados, voltamos a seguir viagem de barco, que são mais ou menos 10 minutos de duração em cada uma delas, até à Isola Bella, a rainha das ilhas dos Borromeus. A entrada custa 16€, mas se optarem pelo bilhete combinado com a Isola Madre fica a 21€.

 

Local: Palazzo Borromeo, Isola Bella (Stresa)

Na Isola Bella, de visita obrigatória, irão conhecer o Palácio Borromeu e os seus jardins ao estilo italiano, convidando-nos a entrar no mundo ostensivo do século XVI.

 

Voltando para Stresa, visitamos o centro histórico, onde abundam os restaurantes e comercio tradicional.

 

No dia seguinte, acordamos bem cedo e partimos em direção ao Aeroporto Malpensa, o aeroporto internacional de Milão. Lembrem-se que quando levantamos o nosso carro num local e o deixámos noutro temos de pagar uma taxa, chamada 'trajeto único', cujo preço pode variar.

 

Ficam agora as recordações de uma viagem que há muito desejávamos fazer, com as expetativas a serem cumpridas. Para aqueles que nos estão a perguntar se foi fácil levar um bebé de 15 meses connosco, dizemos que sim. Não é novidade que a dinâmica dos roteiros ou decisões muda e vai continuar a ser diferente daqui para a frente, mas as memórias que trouxemos connosco valem essa mudança, que foi para melhor. Agora, com mais um elemento, viajar passa a ser uma caderneta de recordações, não só por aquilo que nós vivemos mas também pelo que conseguimos oferecer à nossa filha.

 

Local:Isola dei Pescatori (Stresa)

 

Informações:

Alojamentos: Hotel du Lac em Bellagio (400€ duas noites), Grand Hotel Tremezzo (439€ por noite), Hotel Dei Cavalieri em Milão (330€ duas noites) e Grand Hotel Des Iles Borromees em Stresa (421€ duas noites).

Como chegamos até lá: Avião da companhia Ryanair, chegada por Bergamo desde Vigo e partida de Milão-Malpensa em direção ao Porto. Custo: 130€ para dois adultos e um bebé de 15 meses.

Aluguer de carro: Reserva feita na Rentalcars, com duração de sete dias, com um custo total de 65€. Pagamos ainda a taxa de trajeto único (65€), mais a cadeirinha de bebé (69€).

Outras despesas: Refeições, entradas em monumentos, viagens de barco, gasolina, portagens, com um custo médio de 800€ para os três.