Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Volto JÁ

Volto JÁ

Roteiro: Há viagens de uma vida e depois, ao lado, temos a Islândia

07.06.19 | Volto Já

Ring Road

 

A Islândia é, sem dúvida, um lugar mágico, que nos leva a muitas incertezas antes de chegar, com muitas dúvidas quando lá estamos e com a promessa indefinida de um regresso.

Por isso é que a Islândia é como uma vida, difícil de saber o que encontrar pela frente.

Quantas mais vezes olhávamos para as fotografias da Islândia na internet, mais vontade tínhamos de a visitar.

Quantas mais vezes ouvíamos dizer que tinha sido a viagem de uma vida para uns, menos tempo sabíamos que faltava para a conhecer.

Fomos, estivemos lá sete dias, levamos uma criança de dois anos e trouxemos de lá muitas histórias para contar.

 

Diamond Beach

 

PREPARAÇÃO

 

Os voos desde o Porto até Reiquiavique, capital da Islândia, foram comprados com três meses de antecedência à companhia Easyjet por 600€, para três pessoas e com mala no porão, com escala em Genebra, Suíça.

O aluguer de carro também foi reservado com a mesma antecedência, através do site local Northbound, onde escolhemos o SUV Dacia Duster 4x4, através da empresa Lava. Para o tempo da nossa viagem, o preço foi de 320€ (270€ do carro e 50€ da cadeirinha de bebé).

Quanto a hotéis, foram sendo reservados nos meses que antecederam a viagem. A maior parte deles ficam situados na zona sul da Islândia. Abaixo estão os nomes e os preços.

Room With A View Apartment Hotel, Reiquiavique (105€, uma noite)

Litli Geysir Hotel, Geysir (130€, uma noite)

Fosshotel Glacier Lagoon, zona das Lagos Glaciares, (332€, duas noites)

UMI Hotel, zona das cascatas (433€, duas noites)

Northern Light Inn, ao lado da Blue Lagoon (190€, uma noite)

 

Seljalandsfoss

 

DIA 1: REIQUIAVIQUE

 

Ao aterrar no Aeroporto de Keflavík, a cerca de 50 quilómetros da capital, tínhamos à nossa espera um funcionário da empresa Lava que nos levaria, num shuttle bus, até ao local para recolher a nossa viatura. Depois de preenchidos os formulários e montada (sempre difícil tarefa) a cadeirinha, partimos rumo à nossa primeira paragem: Reiquiavique.

A capital islandesa não é aquela que nos encanta à primeira, mas sim a que nos conquista a cada passo e à medida que vamos conhecendo a sua aura, havendo algo de místico e espiritual na sua pacatez colorida e despercebida.

Ficamos apenas uma noite em Reiquiavique, tendo jantado no restaurante Reykjavik Kitchen, perto do centro.

Reiquiavique

 

No dia seguinte, aproveitamos a manhã para passear pela marginal e visitar a imponente Harpa, a sala de concertos da cidade, cuja arquitetura, estilo colmeia, deixa qualquer um hipnotizado.

Almoçamos, e bem, neste espaço e seguimos para o nosso próximo destino: Geysir.

 

Catedral de Reiquiavique

Harpa, Reiquiavique

Harpa, Reiquiavique

 

 

 

 

DIA 2: GEYSIR E GULFOSS

 

São 115 quilómetros que se fazem numa 1h30, por estradas calmas, com paisagens de tirar o fôlego.

Tenham isso em conta, quando viajam de carro na Islândia, os cenários que nos passam pelas janelas do carro são quase tão surpreendentes como aquelas que vemos quando andamos a pé.

 

Geysir

 

Chegados ao nosso hotel, fomos acarinhados pela hospitalidade lusa - existem muitos portugueses a viver na Islândia, principalmente a trabalhar na área do turismo - e partimos logo de seguida, de carro, à procura da nossa primeira cascata gigante islandesa, a Gullfoss, que fica a poucos quilómetros. É imponente, mas não nos deixou rendidos.

 

Gullfoss

Gullfoss

 

 

 

 

 

 

De volta, mesmo em frente ao nosso hotel, estava o parque geotérmico Geysir, onde podemos ver géiseres em ação.

 

Geysir

 

À noite, e tal como em todos os hotéis que ficamos hospedados, pedimos para nos avisarem caso surgissem as auroras boreais.

Na receção, existem previsões deste fenómeno meteorológico e fizeram-nos acreditar que esta poderia ser 'A' noite.

A verdade é que não foi e (acabando já com o suspense) saímos da Islândia sem ver uma nesga de uma aurora, mas claramente não atrapalhou no balanço final do país.

 

Cratera Kerid

 

DIA 3: PARQUE NACIONAL THINGVELLIR E CRATERA KERID

 

Para sermos mais precisos, passamos meio dia neste parque, mas já explicaremos onde gastamos o resto do dia. 

Parque Nacional Thingvellir

 

Este parque é considerado um dos lugares históricos mais importantes do país. 

É um espaço gigante, localizado entre as placas tectónicas da América do Norte e da Eurásia. Nele, encontram o Rio Öxará, que atravessa o parque, formando a cascata Öxarárfoss.

Cascata Öxarárfoss

 

Quem leva crianças como nós - e não só - saibam que existe um espaço que serve comidas rápidas caso necessitem de almoçar.

Estejam preparados fisicamente para carregar os mais novos, pois, tal como dissemos, é um parque natural para se explorar, e muito.

 

Parque Nacional Thingvellir

Parque Nacional Thingvellir

 

 

 

 

 

Depois, a caminho do nosso próximo destino, paramos na cratera Kerid para apreciar a imensidão do lago (congelado).

Fomos em abril e apesar das temperaturas baixas, o frio era suportável.

 

Cratera Kerid

 

Pela frente ainda tínhamos 400 quilómetros de viagem, que demoraram cerca de 5 horas, até ao nosso próximo destino, a zona dos lagos glaciares em Jökulsárlón.

 

DIA 4: LAGOS GLACIARES DE JÖKULSÁRLÓN E PARQUE NACIONAL DE SKAFTAFELL

 

Descansar bem e recarregar energias, este era o nosso lema quando reservamos o Fosshotel Glacier Lagoon, o melhor hotel da viagem.

Com duas noites reservadas, aproveitamos para descansar e visitar as coisas com calma.

Lago Glaciar

Lago Glaciar

 

 

 

 

 

 

Da parte da manhã, aproveitamos para visitar o lago glaciar e a diamond beach, que ficam mesmo lado a lado.

Dois lugares que impressionam de tão estranhos que são. Blocos de gelo numa praia? Não é para qualquer lugar...

 

Diamond Beach

 

À tarde, voltamos a 'puxar ferro', que é como quem diz carregar a filha (de 12kg) pelo Parque Nacional de Skaftafell, e tudo para ver a famosa cascata Svartifoss.

Porém, a teimosia e o esforço foram-se transformando em desafio e alegria pela beleza e singularidade dos cenários.

 

Svartifoss

 

Tenham em atenção que para chegar à queda de água nas rochas de basalto é necessário percorrer quase 2 quilómetros a pé, num caminho quase sempre a subir. Se valeu a pena? Muito mesmo.

Outra nota importante para quem chega de carro: é necessário pagar (perto de 5€) o parque de estacionamento.

 

Avião acidentado em Solheimasandur

 

DIA 5: O AVIÃO ABANDONADO E AS PRAIAS NEGRAS DE REYNISDRANGAR E REYNISFJARA E AINDA O CABO DYRHÓLAEY

 

Logo pela manhã, voltamos à estrada em direção a Solheimasandur, onde estaria um dos pontos mais 'instagramáveis' da Islândia, uma vez que não o consideramos um ponto turístico.

Falamos do avião acidentado e abandonado numa praia.

Avião acidentado em Solheimasandur

Avião acidentado em Solheimasandur

 

 

 

 

 

 

Para visitar o avião, precisam de deixar o vosso carro no parque de estacionamento e, uma vez aí, têm duas opções: ou vão a pé (gratuito) ou pagam cerca de 20€ por pessoa para ir e voltar num autocarro próprio.

É uma hora a pé (possivelmente contra muito vento) contra 10 minutos sentados. A escolha é vossa.

Depois da experiência no dia anterior, preferimos abrir as cordas à bolsa e pagar pelo conforto.

Da parte da tarde, fomos visitar as duas praias negras mais famosas da vila de Vík: Reynisdrangar e Reynisfjara.

 

Reynisfjara

 

A primeira mais inóspita e misteriosa, ao contrário da popular Reynisdrangar. Quando dizemos popular, queremos mesmo dizer mais povoada, algo que lhe retira o misticismo. Além disso, os fortes ventos que encontramos dificultaram o deslumbramento.

 

Cabo Dyrhólaey

 

Para finalizar o dia, entre estas duas praias, podem subir de carro até ao topo do Cabo Dyrhólaey e avistar o pontal que deixa qualquer um assoberbado.

 

DIA 6: AS CASCATAS SKÓGAFOSS E SELJALANDSFOSS

 

De fácil acesso até ao nosso destino final, uma vez que ficam à face da estrada principal da Islândia, paramos nas duas cascatas mais conhecidas do país.

Tanto numa como noutra dá para sentir a força da água (e da natureza). Contudo, há duas particularidades que as tornam únicas.

 

SKÓGAFOSS

 

Na Skógafoss podemos ser brindados com um arco-íris consoante as condições atmosféricas, enquanto na Seljalandsfoss (com parque de estacionamento a 6€) dá para caminhar por detrás da queda da água e assim ter uma perspetiva bem diferente.

 

Seljalandsfoss

Seljalandsfoss

 

 

 

 

 

 

Nesta, para quem viaja com crianças, é necessário ter mais atenção.

Depois do almoço nas imediações da Seljalandsfoss, partimos em direção à Blue Lagoon, já com pena de contar as horas da despedida. Foram 125km numa 1h30.

 

Seljalandsfoss

 

DIA 7: BLUE LAGOON

 

Depois de tantos dias com temperaturas baixas, nada melhor do que acabar a nossa viagem pela Islândia com um banho quente a 40 graus.

São as piscinas termais mais famosas da Islândia, uma vez que ficam muito perto do aeroporto internacional e a poucos quilómetros da capital Reiquiavique, logo é muito visitada por turistas.

 

Blue Lagoon

 

Não conotem esta palavra como negativa, mesmo assim, é de simples circulação, desde a entrada até à saída.

As entradas têm um custo elevado: os nossos bilhetes custaram cerca de 170€ para dois adultos, crianças até aos 13 anos não pagam e a idade mínima de admissão é dois anos.

O bilhete básico dá direito à entrada, toalha, uma bebida e uma máscara de argila. Há outros pacotes que chegam a incluir uma noite no hotel.

No final, podem repor forças no restaurante do spa termal, mas fiquem a saber que as coisas são igualmente caras.

 

Blue Lagoon

 

Ficamos a manhã inteira na Blue Lagoon e, apesar de ler muitas críticas negativas, não temos nada a apontar.

É um sítio limpo e prazeroso, com a ressalva de ser muito caro.

Depois de secos, foi só questão de entrar no carro alugado pela última vez e partir em direção ao aeroporto que nos levaria de volta a Portugal.

 

thumbs.web.sapo.io-48.jpeg

 

NOTAS FINAIS

 

Apesar das inúmeras histórias que ouvimos sobre a Islândia, este país não conseguiu conquistar o topo do lista das nossas viagens preferidas.

Não interpretem de maneira diferente, é um lugar ímpar no planeta Terra e arriscamo-nos a dizer que é de visita obrigatória para qualquer ser humano, até para se ter a perceção de que o mundo não acaba e termina nas paginas da Internet.

Há sítios que foram feitos para ser vistos ao vivo e sem filtros e, sem dúvida, a Islândia faz parte dessa lista.

Sabem quando vos dizem que visitamos o sítio certo na altura errada? Foi isso que aconteceu connosco em relação à Islândia.

Há sempre alguém que sente de forma diferente, mesmo sabendo que, por dentro, adorou, só não entende o porquê.